fbpx

PH vaginal: o termômetro da sua saúde íntima

Aprenda a avaliá-lo e descubra quando seu corpo fica propenso a doenças

A partir de agora, você aprenderá a conhecer seu corpo e avaliar os sinais que ele envia. A partir de agora, você aprenderá a conhecer seu corpo e avaliar os sinais que ele envia.

Para começar, é importante que você entenda a sua Flora Vaginal, que é um conjunto de bactérias e fungos naturais, presentes na vagina, cujo objetivo é protegê-la, combatendo agentes agressores que vêm do meio externo. No entanto, esses microorganismos precisam estar em equilíbrio para manterem a mulher saudável, não podendo se proliferar demais.

Por exemplo, a “candida albicans”, causadora da Candidíase, existe na Flora Vaginal de todas as mulheres. O problema é quando ela se prolifera demais, causando a inflamação por esse fungo, o que dá origem à doença.

O termômetro da saúde íntima de uma mulher é o PH (Potencial Hidrogeniônico) vaginal. Quando ele está alterado, sinaliza que sua saúde está prejudicada. Oriento que as mulheres sempre acompanhem seu PH, para detectar, com antecedência, qualquer tipo de alteração em sua Flora.

A vagina precisa estar equilibradamente ácida, pois é a acidez que matará as bactérias de fora que podem agredi-la. No entanto, acidez demais pode gerar uma agressão à própria mucosa. No caso da vagina, o PH pode variar de 0 a 14, sendo:
  • de 0 a 3,7PH excessivamente ácido, onde algumas doenças ginecológicas, como a candidíase, por exemplo, tendem a se proliferar
  • de 3,8 a 4,2 – costuma ser considerado o PH vaginal ideal, já que as bactérias naturais da flora vaginal ajudam a manter a imunidade local
  • 7 – considerado PH neutro
  • de 7 a 14 – considerado PH alcalino ou básico
Embora existam esses valores de referência, percebo que cada mulher tem sua própria sensibilidade. Afinal, somos seres único e individuais. Portanto, enquanto para umas o PH 3,7 é ácido demais, prejudicando sua mucosa e proliferando fungos como o da candidíase; para outras o valor de 3,7 pode ser o seu normal e não facilitar o aparecimento de doenças. Portanto, indico que você avalie seu PH quando estiver com a vagina saudável e o anote. Caso tenha alguma disfunção (como candidíase, infecção, lubrificação em excesso ou em baixa, bartolinite, etc.), avalie-o novamente e veja o valor de seu PH de alteração. Assim, saberá exatamente como seu corpo funciona. O acompanhamento do PH é a melhor referência para acompanhar a saúde íntima, antes de qualquer doença se manifestar.

Como avaliar meu PH vaginal?

Existem duas formas de fazer isso:
  1. Por meio de exames médicos
  2. Por conta própria

Para fazer sozinha, é preciso procurar em farmácias uma adaptação de produto, pois ainda estamos crescendo lentamente na área de saúde íntima e não há tantos materiais voltados para o assunto. Portanto, busque por “tiras de teste de PH para saliva e urina”. Já adianto que não é fácil de encontrar, então olhe nas melhores farmácias da sua região ou busque pela internet, onde costuma haver mais opções.

Esse produto nada mais é do que cartelinhas em formato de tiras, cada uma possui um desses testes. Destaque uma das tiras e esfregue na parede da vagina. Depois, veja a cor que ficou e analise pelo gráfico de cores do produto, qual o nível de PH que aparece. Anote e guarde esse resultado, para compará-lo com os próximos que fizer, no futuro. E analise, pela medida que te ensinei acima, se o seu PH está ácido, alcalino ou básico.

Ao conhecer as taxas que são normais para você, saberá quando houver alguma alteração, inclusive se o PH estiver próximo do que fica quando há algum problema ginecológico. Nestes casos, você poderá ser proativa e assumir os cuidados para impedir a evolução dos sintomas. Fácil assim.

PH varia ao longo do ciclo menstrual

É natural que, dependendo da fase do seu ciclo, o seu PH também se altere pelas dosagens hormonais presentes em cada fase. Portanto, o ideal é avaliar praticamente todo dia o PH, por cerca de 3 meses, para que possa ver de forma constante e frequente as taxas de acordo com o seu ciclo. Assim, saberá quando há alteração de PH por problemas na imunidade do organismo, ou quando a alteração tem a ver apenas com as fases do seu ciclo.

Mesmo assim, você poderá notar que em determinadas fases do seu ciclo você fica mais propensa a apresentar problemas ginecológicos, justamente por conta do PH desta fase.

Por exemplo, digamos que na fase pré-menstrual seu PH fica mais ácido e é neste momento que você tem maior tendência a manifestar alguma doença ginecológica. Portanto, por prevenção, você saberá que este é o período que mais deve colocar em prática as dicas de prevenção contra o problema.

Memórias do útero também alteram flora vaginal

Outro fator que altera a saúde da flora vaginal são as memórias celulares de todas as suas experiências de vida, que ficam registradas no útero. Por isso, toda mulher deveria ativar seu corpo para se libertar destes registros, que dão origem a bloqueios sexuais, problemas amorosos e doenças íntimas.

O que achou da dica sobre o PH vaginal? Vou adorar saber. Comente abaixo.